Blog do Onyx

Liberdade | Democracia

EDUCAÇÃO&ECONOMIA: Tecnologia depende de mais investimento nos doutorandos

leave a comment »

EDUCAÇÃO&ECONOMIA: O desenvolvimento dos tigres asiáticos sempre esteve ligado ao incentivo a educação. Ou o Brasil qualifica sua educação ou teremos um país de operadores de máquinas que não sabemos construir. Hoje a realidade não está muito longe disto. Grandes empresas que dependem de alta tecnologia já importam profissionais de desenvolvimento tecnológico. No Rio Grande do Sul não estamos em uma situação diferente, existe muito pouca pesquisa voltada para desenvolver soluções tecnológicas para problemas recorrentes como a seca e técnicas de irrigação de baixo custo e consumo de energia. (Charge: blogdamartabellini.blogspot.com)

Brasil se ressente de anos de atraso na formação da elite do conhecimento

Aos 23 anos, a mineira Luísa Peconick sonha alto. Nem bem terminou o curso de biologia da Universidade de Brasília (UnB), começou um mestrado na instituição. Apesar de dedicar quase todo o tempo de estudo à virulência de um gene específico de um fungo, já prepara caminho para fazer um doutorado no exterior. “Na área de biologia, não há muitas oportunidades para estudantes que só têm o diploma de graduação”, explica. “Por isso, estudamos tanto. A dedicação é absoluta. Às vezes, as pesquisas adentram os fins de semana e feriados”, diz. Tanto comprometimento lhe rendeu uma bolsa, de R$ 1,2 mil mensais, bancada pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

Casos como o de Luísa Peconick, que já faz planos para um doutorado, deveriam ser rotineiros em um país que alcançou o posto de 6ª maior economia. Mas, infelizmente, são exceções. (Foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

O carioca Marcus Cardoso, 36 anos, tem a clara noção do esforço despendido na última década para alcançar o mais elevado grau de educação. Convencido de que o seu lugar era na universidade, ingressou, em 2003, em um mestrado na área de antropologia. Terminada essa etapa, partiu para o doutorado, concluído no ano retrasado. Agora, financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), está mergulhado nos livros para disputar uma vaga de pós-doutorado fora do país. Os anos pesados de estudo não lhe tiram o bom humor, sobretudo porque, na sua avaliação, finalmente o Brasil está acordando para a necessidade de formar o que há de melhor em todas as profissões.

Os casos de Luísa e de Marcus deveriam ser rotineiros em um país que alcançou o posto de sexta maior economia do planeta. Mas, infelizmente, configuram quase exceções. Em número de doutores, o país continua atrás de muitas economias menores, com uma média de 1,4 graduado para cada mil habitantes. Ganha apenas da vizinha Argentina, com uma relação de 0,2, conforme levantamento da Capes para o Plano Nacional de Pós-Graduação (PNPG) até 2020. A maior referência é a Suíça, com 23 doutores para cada mil habitantes. Em segundo lugar está a Alemanha, com 15,4, seguida pelos Estados Unidos, com 8,4.

“No ritmo atual, só conseguiremos alcançar níveis como os da Austrália e do Canadá, de 5,9 e 6,5 doutores para cada mil habitantes, respectivamente, em 2025. E, com muita sorte, até 2050, nos equipararemos à Suíça de hoje”, diz o presidente da Capes, Jorge Guimarães. Não será tarefa fácil. Com um total de 12 mil doutores e 40 mil mestres titulados no ano passado, várias universidades já enfrentam dificuldades para completar seus quadros. “A rede privada está desesperada para cumprir as exigências do Ministério da Educação de se ter, no mínimo, um terço do quadro de professores com mestrado e doutorado”, afirma Rodrigo Capelato, diretor executivo do Sindicato das Entidades de Estabelecimentos de Ensino Superior do Estado de São Paulo (Semesp). “E não está sendo diferente nas universidades públicas”, acrescenta.

Desafios
Não bastasse a escassez de doutores nas universidades, também a indústria se ressente da falta de profissionais para tocar programas de pesquisa e inovação, como é comum nas economias desenvolvidas e na maior parte das nações emergentes. “No Brasil, cerca de 70% dos doutores estão na educação e 11% na administração pública. Mudar esse quadro é um dos maiores desafios para o desenvolvimento da economia do país”, ressalta Glaucius Oliva, presidente do CNPq. A virada tão necessária, porém, terá de começar na base da pirâmide, pois, mesmo com os avanços no combate à evasão escolar e com os investimentos em novas universidades públicas e em programas de bolsas para estudos no exterior, o Brasil ostenta 60% de analfabetos funcionais, pessoas que sabem ler, mas têm dificuldades para interpretar um texto.

“Esse é um dos motivos para tanta evasão nas universidades e para o deficit de profissionais que a economia tanto necessita” destaca Guimarães, da Capes. Nos cursos de engenharia, por exemplo, 65% dos alunos matriculados desistem no meio do caminho por não conseguirem acompanhar as aulas. Trata-se de um quadro inaceitável que empurra o Brasil para o 47º lugar na lista dos países mais inovadores do mundo, mesmo sendo o 13º maior produtor de trabalhos científicos.

A hora da virada, acredita Glaucius Oliva, é agora. O governo não pode fracassar no projeto lançado em agosto do ano passado, o Ciência Sem Fronteiras, que tem como meta enviar 100 mil estudantes a universidades estrangeiras até 2014. A frustração custará anos de atraso para o país, conforme o último capítulo desta série. Dados do Institute of International Education (IIE) mostram que, em 2011, o Brasil enviou apenas 8,7 mil estudantes de pós-graduação para os EUA, contra 157,5 mil da China e 103,8 mil da Índia.
Três perguntas para – Allan E. Goodman

Presidente do Instituto de Educação Internacional (IIE)

O programa brasileiro de estímulo a bolsas de estudo no exterior, o Ciência Sem Fronteiras, está no caminho certo?
A presidente Dilma Rousseff tomou medidas corajosas para qualificar a mão de obra que permitirá ao Brasil se tornar mais competitivo em um quadro global. A decisão de dar 100 mil bolsas de estudo no exterior para alunos de graduação até 2014 preparará os jovens do Brasil a prosperarem na economia do conhecimento. Dados do estudo “Global Education Digest”, da Unesco, indicam que menos de 0,5% dos estudantes brasileiros estudaram fora do país. É muito pouco. Apenas no ano letivo 2010/2011, a China tinha 157,5 mil alunos nas melhores universidades dos Estados Unidos. No mesmo período, o Brasil enviou 8,7 mil pós-graduandos.

Por que esse tipo de intercâmbio é importante?
Em um momento em que a economia brasileira está se expandindo rapidamente e o Brasil e os Estados Unidos estão fechando laços sem precedentes para o desenvolvimento de programas de energia, de comércio e na área científica, nós olhamos para o ensino superior como uma área-chave para os dois países buscarem mais cooperação. Tanto para os EUA quanto para o Brasil prosperarem no século 21, é preciso garantir um compartilhamento de educação internacional. A partir deste mês, cerca de 650 estudantes brasileiros de graduação chegarão aos Estados Unidos para estudar. Outros 850 deverão embarcar em breve, totalizando 1,5 mil em uma primeira seleção. Certamente, esse número aumentará.

Como vocês atuam no Brasil?
Temos escritórios de aconselhamento na Casa Thomas Jefferson, em Brasília, na Comissão Fulbright, no Rio de Janeiro, e em outras cidades do país. Uma delegação de educadores dos EUA visitará São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Campinas e Piracicaba em abril, para conhecer instituições públicas e privadas de ensino superior e dar mais orientações sobre os nossos programas.

Autora: Rosana Hessel
Fonte: http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/economia/2012/01/19/internas_economia,286870/brasil-se-ressente-de-anos-de-atraso-na-formacao-da-elite-do-conhecimento.shtml
Casos como o de Luísa Peconick, que já faz planos para um doutorado, deveriam ser rotineiros em um país que alcançou o posto de 6ª maior economia. Mas, infelizmente, são exceções. (Foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

Anúncios

Written by onyxlorenzoni

janeiro 19, 2012 às 1:57 pm

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: