Blog do Onyx

Liberdade | Democracia

#Feijão: o básico que virou luxo.

leave a comment »

INFLAÇÃO GERA FOME: Se o governo Brasileiro se dedicasse mais a fazer seu tema de casa econômico e elaborar políticas que promovesse o aumento da safra combateria mais a fome de forma mais eficiente. Se o Governo gerarasse condições para a industrialização, com a montagem de um parque industrial no setor secundário, este quadro de estagnação econômica e esfriamento do mercado, que estamos vendo, já seria outro. Mesmo assim, isto só funcionaria com a prometida reforma tributária e trabalhista e a redução dos gastos públicos. Mas eles não estão no horizonte da movimentação política de Brasília, o que é mais que uma lástima.

No país de todos, rico e sem pobreza, um quilo de feijão custa quase 1% do salário mínimo

Fio trocado – Na música “Tô Voltando”, de autoria de Chico Buarque e transformada em sucesso nacional na voz da cantora Simone, a primeira frase – “Pode ir armando o coreto e preparando aquele feijão preto” – seria uma utopia nos dias atuais nesse país que é de todos, segundo o então presidente Luiz Inácio da Silva.
Independentemente de qual seja o motivo de uma viagem internacional ou até mesmo uma estada mais longa no exterior, quem volta traz no pensamento o desejo muitas vezes quase incontrolável de se deparar com um prato de arroz e feijão. Presença básica no prato do brasileiro em tempos outros, o feijão transformou-se em mercadoria de luxo.
Sob a égide da presidente Dilma Vana Rousseff, que adotou como slogan de governo a frase “País rico é país sem pobreza”, comprar um quilo de feijão exige de qualquer um, mais ou menos abastado, R$ 5. Considerando que o salário mínimo, que para o PT dos dias atuais é uma enormidade, vale míseros R$ 622, o trabalhador comum que quiser comprar um quilo de feijão terá de desembolsar 0,8% do provento.
Para muitos tal comparação pode parecer estapafúrdia, ou até mesmo provocativa, mas qualquer ser mano precisa muito mais do que um quilo de feijão para sobreviver. O discurso palaciano de que a inflação está sob controle é uma balela desmedida, pois quem sai às compras logo percebe que os preços subiram. Quando isso não acontece é porque a qualidade dos produtos caiu sensivelmente.
Quando engrossava ruidosamente as fileiras da oposição, o Partido dos Trabalhadores defendia a adoção pelo governo do salário mínimo classificado como ideal pelo Dieese, que hoje, segundo o órgão, deveria valer R$ 2.349,26, ou seja, 3,78 vezes o valor do mínimo atual. A chamada cesta básica, que está muito aquém de básica, custa, na média nacional, incríveis R$ 232,83, o que representa 37,43% do salário mínimo.
Essa brincadeira oficial de ficar escondendo a verdade tem tudo para acabar mal, pois é possível enganar a todos durante algum tempo, mas não todos durante todo o tempo. O esforço que o Palácio do Planalto faz para dourar a pílula resulta do iminente estouro da bolha de virtuosismo que Lula vendeu aos incautos do planeta.
Mesmo assim, há quem garante que o ex-metalúrgico é candidato favorito na eleição presidencial de 2014. Isso mostra que o Brasil é completamente ininteligível ou, então, o projeto da ditadura civil está dando certo.
De tal modo, Chico Buarque deve se apressar para mudar a letra da música, pois quem voltar antes da hora encontrará o prato vazio.

Autor: ucho.info
Fonte: http://ucho.info/no-pais-de-todos-rico-e-sem-pobreza-um-quilo-de-feijao-custa-quase-1-do-salario-minimo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: