Blog do Onyx

Liberdade | Democracia

A função oficial da Maré Vermelha é controlar fraudes, mas está funcionando como um mecanismo de retenção de importações.

leave a comment »

A operação Maré Vermelha foi iniciada em 19 de março para combater a entrada irregular no País de produtos de bens de consumo. Consumidores já reclamam da demora na liberação das encomendas. Há, inclusive, uma petição pública na internet contra a ineficiência da Receita, conforme mostrou o jornal O Estado de S. Paulo. Muitos empresários dependem de suprimentos, equipamentos e matérias primas importardas para poderem trabalhar. Não é razoável nem justo atrapalhar a vida de quem produz com ainda mais burocracia. O Brasil já É um dos mais burocraticos países do mundo, o que dificulta a vida de quem produz e eleva o chamado “custo Brasil”. (Fonte: forum.outerspace.terra.com.br)

Receita retém 1 milhão de pares de tênis

Importadores reclamam que os modelos importados podem não estar à disposição no Dia das Mães

SÃO PAULO – Os importadores de tênis estão com cerca de 1 milhão de pares retidos na alfândega por causa da operação Maré Vermelha, da Receita Federal. As marcas mais afetadas são Nike, Puma e Adidas. As empresas reclamam que os modelos mais novos podem não estar à disposição dos consumidores no Dia das Mães.

“A função oficial da Maré Vermelha é controlar fraudes, mas está funcionando como um mecanismo de retenção de importações”, diz Mário Andrada, diretor de comunicação do Movimento pela Livre Escolha (Move), formado por multinacionais do setor e também por empresas nacionais que importam.

Deflagrada em 19 de março, a operação Maré Vermelha intensificou a fiscalização na entrada de importados, para reduzir o contrabando e o subfaturamento. Pelos parâmetros da Receita, os produtos deixam o “canal verde”, onde a liberação é quase automática, e entram no “canal vermelho”, que exige verificação física e documental. A operação não tem data para acabar e congestiona os portos.

De acordo com Andrada, 1 milhão de pares equivale a um mês de vendas de marcas líderes como Nike ou Adidas. Ele afirma que a situação é preocupante e não deve se normalizar até o Dia das Mães, um dos períodos de maior aquecimento do varejo. “O consumidor vai sentir falta dos lançamentos.” Atualmente, 50% dos tênis vendidos por essas marcas no Brasil são feitos no País e 50% são importados.

Segundo um grande varejista, que preferiu não se identificar, não há risco de falta de produto no ponto de venda no “curtíssimo prazo”, mas isso pode ocorrer se a situação permanecer por mais seis a oito semanas. Ele afirma que os importadores já falam em “rateio” entre os varejistas, porque não vão conseguir atender a todos os pedidos.

“Infelizmente é normal enfrentarmos problemas por retenção de produtos nos portos, mas nunca vi nada dessa magnitude. Quando chega nos grandes importadores, é um efeito dominó até o varejo”, disse a fonte.

Andrada, do Move, critica o sistema adotado pelo governo para verificar se há subfaturamento. Ele explica que, quando há diferença entre o peso real e o peso declarado, a Receita consulta a Associação Brasileira da Indústria Calçadista (Abicalçados) para determinar o valor real.

“A Abicalçados é parte interessada. Queremos um instituto isento”, diz Andrada. “O Brasil terá uma década do esporte. Dessa maneira, a Abicalçados terá acesso a nossos lançamentos antes dos consumidores.” A Abicalçados representa fabricantes como a Vulcabrás, dona da marca Olympikus.

A Receita, os importadores e a indústria nacional estão realizando reuniões para tentar resolver a situação. Heitor Klein, diretor executivo da Abicalçados, diz que o setor busca um critério imparcial para verificar o valor do produto. “É um trabalho complicado, laborioso, que exige quase uma engenharia reversa do calçado.” Segundo ele, a entidade está disposta a pagar a contratação de um instituto isento.

Klein reconhece que os “bons importadores” estão pagando por aqueles que praticam subfaturamento e outros tipos de fraude. “Mas a situação chegou a um ponto que a única maneira de coibir era fiscalizar 100% dos produtos que chegam ao Brasil.”

Conforme o executivo, já foram encontrados indícios e provas de fraudes “descomunais”. Ele diz que alguns produtos eram importados por “centavos”, enquanto importadores consideravam a caixa como unidade, mas havia mais de uma dúzia de pares em cada caixa. O Move estuda entrar na Justiça para liberar a mercadoria, mas ainda não há definição sobre o tema. Os importadores não querem se indispor com o governo. Procurada, a Receita não deu entrevista.

Autor: Raquel Landim, de O Estado de S. Paulo

Fonte: http://economia.estadao.com.br/noticias/economia,receita-retem-1-milhao-de-pares-de-tenis,111504,0.htm?reload=y

Anúncios

Written by onyxlorenzoni

maio 8, 2012 às 3:21 pm

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: