Blog do Onyx

Liberdade | Democracia

Legalização do vinho artesanal a caminho @pioneiroonline

leave a comment »

Vinho artesanal gaúcho, qualidade das pequenas produções e tradição das famílias dedicadas a vinicultura que precisa de amparo legal. A atual legislação foca somente na grande produção voltada para a exportação.

Bento Gonçalves – A legalização da produção artesanal de vinho está mais próxima. Em audiência pública realizada sexta-feira na Embrapa Uva e Vinho, em Bento Gonçalves, a Comissão de Agricultura da Câmara dos Deputados esboçou proposta que deverá dar origem a um projeto de lei substitutivo. Reunindo ideias de lideranças do setor vitivinícola e projetos dos deputados Onyx Lorenzoni (DEM-RS) e Pepe Vargas (PT-RS), hoje ministro do Desenvolvimento Agrário, a proposta para legalizar a produção artesanal é enquadrar os pequenos viticultores nas regras da agricultura familiar.

Desta forma, estariam isentos de impostos, como o ICMS, por exemplo, os produtores de uva, vinho e derivados com produção limitada às regras da agricultura familiar, que usam 100% de matéria-prima própria, possuem área de até quatro módulos rurais e faturam por ano até 15 mil UPFs (cerca de R$ 196 mil).

– Os limites compreendem toda a atividade econômica dos produtores, não apenas a produção de uva, vinho e derivados, que deverão estar inseridos no contexto geral das propriedades rurais – alertou José Fernando Werlang, fiscal agropecuário do Serviço de Inspeção de Produtos Agropecuários (Sipag/SAF-RS) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento no Estado.

De acordo com Werlang, as regras da agricultura familiar são o caminho para a regularização do vinho artesanal e colonial no Brasil, especialmente no Rio Grande do Sul, onde esta atividade é histórica entre os produtores. Quem estiver enquadrado nestas regras poderá comercializar o vinho artesanal ou colonial exclusivamente na sua propriedade ou em feiras de agricultores familiares dentro do seu Estado.

– O que queremos é regulamentar uma questão que já existe hoje, a produção de vinho artesanal e colonial, feita por produtores que atualmente estão na informalidade – alertou Werlang.

A limitação a este produtor, que não precisa registrar empresa para não perder a condição de segurado especial do INSS, será não vender seus produtos a estabelecimentos comerciais como armazéns e restaurantes. Sua venda deverá ser exclusivamente ao consumidor final.

De acordo com o fiscal, no Estado existe uma legislação que permite ao produtor rural vender seus vinhos e derivados, isento de ICMS desde que esteja formalizado:

– Os produtores, em geral, não sabem disso ou têm receio de se formalizar temendo uma fiscalização sanitária e ambiental rigorosa.

Com a nova legislação, as regras ficarão claras e poderão ser seguidas por produtores de todo o Brasil.

Fonte: http://www.clicrbs.com.br/pioneiro/rs/impressa/11,3813852,154,19946,impressa.html

Fonte: ClicRBS

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: