Blog do Onyx

Liberdade | Democracia

Posts Tagged ‘impostos abusivos

O PIBinho da incompetência.

leave a comment »

O IBGE divulgou o crescimento do PIB, vulgo PIBinho. Crescemos menos que os outros BRICS, somos o emergente que menos cresce, crescemos menos que países menores aqui da América do Sul. O que há com o Brasil? Por que cresce tão pouco?A resposta lógica é conhecida: impostos demais, custos altos demais, muita intervenção do governo na economia, leis trabalhistas ultrapassadas, burocracia pesada, infra estrutura no limite, falta de energia, falta de mão de obra qualificada. Evidentemente a genial equipe de economistas de Lula/Dilma nos devem explicações. Não adianta maquiar dados, dizer que a classe média aumentou e que juros baixaram quando sabemos que o que mudou foi o critério para ser considerado classe média (para o governo famílias com renda a partir de 292 reais agora estão incluídas na classe média). Os juros baixaram muito pouco dentro do contexto mundial de queda de juros e mesmo assim os juros praticados para o consumidor final ainda são muito altos. A política de juros do governo está levando a população brasileira a um limite de endividamento, dificultando que as famílias consigam pagar suas dívidas e em algumas situações impossibilitando que as pessoas, na prática, tenham crédito, pois estão com seus nomes em listas de devedores. Mantega gosta muito de dizer que “vivemos uma crise mundial”, meia verdade pode ser mais perigoso que uma mentira total; o contexto internacional que nos atingiu foi o do aumento do preço dos alimentos, dos metais e dos combustíveis e o aumento da renda per capita nos mais populosos países do planeta, China e Índia, um dos fatores que pressionou o preço dos alimentos. Somos produtores de alimentos, o aumento desses preços fizeram mais dinheiro entrar no país, mas o (dês)governo Lula/Dilma não soube aproveitar este momento favorável e hoje perdemos espaço para outros emergentes, que são mais atrativos e competitivos do que o Brasil para quem quer investir na economia real (produção, serviços, tecnologia, etc). Atraímos os piores especuladores com os super juros e enxotamos quem quer gerar empregos e renda para as pessoas. Mas Mantega, e seus cálculos mirabolantes, tem uma versão no mínimo estranha para o PIBinho, que claro, não quer enxergar sua própria incompetência. Segue a reportagem do G1 sobre o pedido de explicações sobre o PIBinho para os ministros de Dilma.

(Fonte: G1)

(Fonte: G1)

CLIQUE AQUI E VEJA A REPORTAGEM NO G1.

Anúncios

Para cobrir os supergastos do governo Dilma precisa de muito dinheiro, que sai do bolso de quem trabalha. #impostosabusivos

leave a comment »

impostos_alem_do_razoavelPara cobrir seus supergastos, obras sem licitação, desvio do rio São Francisco, escandalosos esquemas de desvios de verbas, 25 mil CCs, 39 ministérios, ajuda a amigos socialistas e comunistas no mundo todo precisa muito dinheiro. Como o governo não produz nada este dinheiro acaba saindo do bolso de quem trabalha, do orçamento das famílias. Só tem um jeito de baixar juros, impostos e reduzir o famoso “custo Brasil”, reduzindo os gastos do governo, investindo no que é muito prioritário para a população e evitando toda forma de desperdício de recursos públicos, quanto mais desvio de recursos públicos. Mas nem mesmo o dinheiro desviado no mensalão, que enricou muita gente da companheirada, está sendo cobrado de volta. O AGU, Dr. Luis Inácio Adams, engavetou o processo que pede o reembolso para os tesouro nacional dos valores desviados. Ai não tem imposto que chegue para tanta conta mal feita. Segue a reportagem do ESTADÃO sobre o recorde de arrecadação do mês de janeiro: A arrecadação federal atingiu em janeiro o valor recorde de 116 bilhões de reais, aumento real de 6,59 por cento em relação ao mesmo mês do ano anterior. 

(Fonte: ESTADÃO)

(Fonte: ESTADÃO)

Fonte: ESTADÃO

O que temos para comemorar em 10 anos de PT no poder? #decadaroubada

leave a comment »

Esta é uma das perguntas que serão debatidas hoje 21h35min no Conversas Cruzadas da TVCOM. Participe pelo Twitter @TVCOMRS e @onyxlorenzoni

10-anos-de-pt-no-poder-por-nani-539x420

 

No Brasil de Dilma e Lula o arroxo, o sufoco a quem produz é a regra.

with 2 comments

Imagine se nossa burocracia fiscal não fosse a pior do mundo, que nossos impostos não fossem os mais altos e que os juros fossem compatíveis com os de outros dos Brics. Se isto acontecesse o Brasil iria crescer, mais pessoas iriam ter emprego, mais gente seria produtiva. Mas no Brasil de Dilma e Lula o arroxo, o sufoco a quem produz é a regra. Para aqueles que conseguirem sobreviver honestamente neste contexto de negócios complicado vão ter que encarar a falta de combustíveis,  energia cara e infra estrutura sub dimensionada. Este é o Brasil de Dilma e Lula, o Brasil que está perdendo o trem da história e dos ciclos econômicos correndo o sério risco de se tornar uma colônia do setor primário explorada por detentores de tecnologia, investimentos e poderio militar. Dilma e Lula estão reduzindo o país a frangalhos, já viraram piada internacional e vamos pagar alto pela conta dos anos do PT no governo.
Segue o link e imagem da reportagem da ZH Economia sobre o aumento da demanda por combustível. Mas afinal isto é um bom sinal? Ou estamos sendo empurrados para um modelo onde o que mais se paga são impostos?

Fonte: http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/economia/noticia/2013/02/demanda-por-petroleo-segue-forte-no-brasil-4043045.html

(Fonte: jornal Zero Hora)

(Fonte: jornal Zero Hora)

Aumento da inflação é só uma parte do repasse dos custos gigantes do governo para dentro do bolso do consumidor. #SeLigaBrasil

leave a comment »

(Charge no nanihumor.com)

(Charge no nanihumor.com)

“A dívida pública federal, o que inclui os endividamentos interno e externo, subiu 7,55% em 2012, para R$ 2 trilhões, segundo a Secretaria do Tesouro Nacional.” (Folha) “A inflação de janeiro é a mais alta em 10 anos.” (Folha) Os alimentos não param de subir. “A política cambial pode levar o país a mais um fiasco.” (UchoInfo) Este é o contexto do Desgoverno Dilma. É importante lembrar que inflação, juros e impostos só vão baixar quando o governo reduzir seus gastos. Mas, isto não está nos planos de Dilma. O que está nos planos é repassar para o contribuinte os custos gigantes do governo fora dos trilhos, com 39 ministérios, mais de 24 mil CCs, gastos de cartão corporativo de perto de 60 milhões de reais, obras com aditamentos que dobram os valores licitados e desvios de verbas públicas que chegam a estimativas de 80 bilhões de reais por ano. De onde sai todo este dinheiro? Do bolso de quem trabalha e produz, do bolso de quem tem que sustentar famílias, de quem paga combustível, escola, alimentação, tarifas de telefonia e outras tantas situações de tributação absolutamente abusiva. Este é o contexto de um governo que interfere na economia, centraliza para si todos os recursos e quer de forma imperial comandar tudo que acontece e é dito dentro do Brasil.
Segue a excelente reportagem da Folha UOL sobre o aumento da inflação.

O IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), índice oficial de inflação do país, fechou o mês de janeiro com alta de 0,86%. Trata-se do maior nível para o mês desde 2003 e o mais alto índice mensal desde abril de 2005.

Em dezembro, a taxa havia ficado em 0,79% fazendo o índice fechar 2012 em 5,84%. No período acumulado em 12 meses até janeiro, o IPCA registra avanço de 6,15% e se aproxima do teto da meta oficial de inflação, que é de 4,5%, com margem de dois pontos para cima e para baixo.

Os itens que mais contribuíram para a alta do IPCA em janeiro foram o grupo alimentação, que passou de alta de 1,03% para 1,99% e o grupo artigos para residência, que subiu de 0,27% para 1,15%.

“Os alimentos subiram muito e de modo generalizado. A grande maioria dos produtos teve alta”, disse Eulina Nunes dos Santos, coordenadora de Índices de Preços do IBGE.

As maiores pressões vieram do tomate, com alta expressiva de 26,15% apenas no mês de janeiro. O excesso de chuvas afetou ainda outros produtos in natura, que também subiram com força, como batata (20,58%), cebola (14,25%) e hortaliças (10,86%).

Também aumentaram os preços do frango (4,75%) e das carnes (1,16%), importantes itens na cesta de consumo das famílias.

Diante desses aumentos, o grupo alimentação registrou também a maior alta desde 2003 para os meses de janeiro e representou 56% da taxa geral do mês.

ALÍVIO

A inflação em janeiro só não ficou mais pressionada graças ao grupo vestuário (-0,53%, com liquidações da coleção de verão) e à deflação de 0,20% em habitação devido ao recuo da tarifa de energia elétrica, que ficou 3,91% mais barata.

As contas de energia devem assegurar um alívio ao IPCA de fevereiro. É que o corte de 18% anunciado pelo governo na virada do ano deve ter impacto maior na taxa de fevereiro.

De acordo com Nunes dos Santos, apenas um quarto da redução foi absorvido em janeiro.

ÔNIBUS ADIADO E TRANSPORTES

Outro fator que contribuiu para tirar pressão do IPCA em janeiro e evitar que o índice superasse a “barreira psicológica” de 1% foi a ação do governo federal junto aos governos municipais do Rio de Janeiro e São Paulo para não reajustarem as tarifas de ônibus em janeiro, como estava programado.

O receio do Planalto era alimentar expectativas de altas futuras, o que leva empresários a anteciparem reajustes e turbinarem a inflação.

Sem o reajuste dos ônibus nas duas principais capitais, o grupo transportes subiu 0,75% em janeiro, repetindo a taxa de dezembro.

Ainda assim, a taxa ficou pressionada devido ao aumento de 1,41% de automóveis novos, com a retirada gradual do desconto do IPI reduzido. Também puxou a taxa do grupo para cima as altas de ônibus intermunicipais (2,84%).

Embora ainda com preços em expansão (de 5,15%), as passagens áreas aumentaram menos do que em dezembro (17,2%) e contribuíram para conter a elevação do índice do grupo transportes.

Fonte:
http://www1.folha.uol.com.br/mercado/1227373-inflacao-oficial-acelera-em-janeiro-e-fecha-o-mes-em-086.shtml

Written by onyxlorenzoni

fevereiro 7, 2013 at 5:59 pm

Projeções para a inflação avançam e para o PIB recuam #desgoverno

leave a comment »

Os brasileiros pagam os mais altos impostos do mundo e NÃO recebem o devido retorno em serviços, tendo que desenbolsar a mais para ter saúde, segurança e educação.  O brasileiro gasta mais que o Governo Federal em saúde, tem que desenbolsar alto para educar as crianças e adolescentes. O brasileiro é o cidadão mais oprimido no mundo pelos impostos, são 86 impostos diferentes, ocultados nos preços de todos os produtos e serviços. Pagamos muitos impostos, não sabemos quando pagamos, ou o quanto é cobrado, não vemos o retorno em serviços e toda a semana surge um novo escândalo de corrupção com o dinheiro retirado dos contribuintes. Isto é um caso grave de TIRANIA FISCAL, que é um nomo tipo de ditadura tecnocrática que oprime economicamente. O Brasil é um dos piores casos mundiais de TIRANIA FISCAL, ou DITADURA DE IMPOSTOS.

O modo mais eficiente de reduzir a inflação é reduzir o custo da máquina pública, mas com 39 ministérios ineficientes e inchados isto vai ser muito difícil. 

Projeções para a inflação avançam e para o PIB recuam; é a fórmula Dilmista de desenvolvimento as avessas, que dificulta a formação de empresas, aumenta impostos e como poucos é ineficiente na execução de obras. O resultado está nos números do mercado e no bolso das pessoas. Uma parte importante deste problema está no modelo de gestão da “presidenta da miséria”, com 39 ministérios Dilma se esmerou em achar uma vaguinha para um grande número de correligionários e apoiadores, que com parte de seus salários engordam as doações ao partido, sob o ponto de vista moral isto não se diferencia em nada da compra de apoio perpetrada pelo mensalão. Não é função da máquina pública financiar campanhas e partidos, só que esta distorção além de ser imoral emperra por completo a administração do país, que passa a replicar em todos os níveis o “toma lá da cá” que a formou. Para piorar ainda mais este cenário de imobilismo governamental temos o gigantesco custo deste modelo distorcido de gestão, que esquece de sua principal função, que é administrar bem, e se foca completamente na sua disfunção, acomodar a companheirada em carguinhos e salinhas de Brasília. É fundamental ter pessoas tecnicamente qualificadas trabalhando na administração pública, executores de políticas públicas comprometidos com sua boa execução que valorizam os técnicos e tem eficiência em seu desempenho, se isto não acontecer logo na gestão de Dilma veremos por mais dois anos o que já estamos vendo: ineficiência, obras paradas e muita corrupção.  Segue a reportagem veiculada pelo Jornal do Comércio sobre o avanço da inflação no Brasil.

Mercado eleva previsão de inflação pela terceira semana

A mediana das projeções do mercado financeiro para o IPCA deste ano voltou a subir, de acordo com o levantamento Focus, realizado pelo Banco Central com instituições financeiras. A estimativa para a inflação oficial do País passou de 5,53% para 5,65%, conforme o relatório, divulgado na manhã desta segunda-feira. Esta é a terceira semana consecutiva de alta, de acordo com o documento.

Há um mês, a mediana das previsões estava em 5,47%. Com a escalada, o mercado revela que espera que o IPCA esteja cada vez mais longe do centro da meta de 4,5% estipulado para o período pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Para 2014, no entanto, não houve alterações. A mediana das projeções segue em 5,00% há 10 semanas.

O mercado financeiro também voltou a elevar suas projeções para a inflação no curto prazo. A mediana das estimativas para o IPCA de janeiro subiu de 0,78% para 0,81%. Esta é a segunda semana consecutiva de alta. Há um mês, a taxa aguardada era de 0,73%. Para fevereiro, os analistas não mexeram nas previsões, e a mediana para o IPCA segue em 0,45%. Vale lembrar, no entanto, que há um mês, essa taxa estava em 0,40%, conforme a Focus.

Também foi observada na pesquisa mais uma alta das estimativas para o IPCA suavizado para os próximos 12 meses. Pela Focus, a mediana passou de 5,53% na semana passada para 5,56% agora, registrando a segunda elevação consecutiva. Há um mês, a mediana para esse indicador estava em 5,55%. O mercado financeiro também manteve congeladas suas expectativas para a taxa básica de juros, a Selic, neste e no próximo ano, depois que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu que não mexeria nesse indicador na reunião realizada na semana passada.

O colegiado manteve a Selic em 7,25% ao ano e é essa taxa a aguardada pelos analistas para o fim de 2013. As projeções estão estacionadas neste patamar há 10 semanas, de acordo com a Focus. Para 2014, a previsão de que a taxa básica de juros fechará o ano em 8,25% aparece na pesquisa há quatro semanas.

As projeções de analistas do mercado financeiro para o Produto Interno Bruto (PIB) do País em 2013 voltaram a recuar. A mediana das estimativas para a atividade passou de 3,20% para 3,19%. Apesar de ser um ajuste modesto, a tendência de esfriamento da economia é aguardada pelos economistas há três semanas seguidas. Há um mês, a mediana para este indicador estava em 3,30%. Para 2014, a taxa mediana se manteve em 3,60% para o crescimento do País. Esta é a primeira vez no curto prazo que o mercado não altera suas projeções para o PIB, que estavam em 3,80% há quatro semanas.

Já a estimativa para o câmbio foi alterada tanto para este quanto para o próximo ano – nos dois casos para cima. Para o final de 2013, a mediana das previsões passou de R$ 2,07 para R$ 2,08, exatamente o valor em que a previsão para o dólar se encontrava há um mês. No caso de 2014, a mediana passou de R$ 2,05, patamar em que estava quatro semanas atrás, para R$ 2,09. A estimativa para o câmbio médio ao longo do ano ficou inalterada em R$ 2,06 para 2013 – há um mês estava em R$ 2,08. Para 2014, porém, subiu de R$ 2,04 – taxa vista um mês atrás – para R$ 2,06.

Autor:  Agência Estado

Fonte: http://jcrs.uol.com.br/site/noticia.php?codn=113917

Corrupção empaca o crescimento do Brasil #desgovernodilma

leave a comment »

corrupcao_estradasO fraco desempenho do PIB e o fato de o Brasil ser o membro dos BRICS que menos cresce revela que o governo Dilma, da consagrada “mãe do Pac”, empacou o crescimento do país que pode ser considerado um gigante encalhado. Prestes a nos tornarmos a quinta economia do mundo, pelas forças do mercado que demanda fortemente por grãos e minerais, o governo, que deveria azeitar este processo de crescimento, não consegue senão atrapalhar e dificultar a vida de quem produz. O (dês)governo Dilma até agora se mostrou incapaz de promover as reformas necessárias para que o Brasil deslanche, o contexto da economia mundial é favorável, mesmo em meio a crise financeira de governos europeus, os preços daquilo que o Brasil sabe produzir sobem e pressionam para que se invista e produza mais. Mas como fazê-lo sem energia, sem estradas e enrolado em uma barafunda  de com quase noventa tipos de impostos diferentes e centenas de situações burocráticas que consomem o tempo e a criatividade de nossos empreendedores? O mais curioso é ver de um lado os maiores esquemas de corrupção já vistos neste país consumirem perto de R$90 bi por ano em desvios de verbas e, do outro, números muito próximos disso serem apontados como “o que falta” para a modernização do país. O governo Dilma não é só incompetente, inchado e enpacado é também profundamente marcado pela corrupção. A cultura da corrupção e do vale tudo para conseguir dinheiro para campanhas e partidos obstaculiza o salto que o Brasil hoje poderia vir a dar em direção ao desenvolvimento pleno. Para atrapalhar este movimento temos milhares de salinhas em 39 ministérios ocupadas por membros do partido cuja função é contemplar a incompetência petista e pleitear dinheiro a fundo perdido para campanhas e enriquecimento pessoal, isto é o que está pondo todo o país a perder. Segue a reportagem do Estadão sobre a avaliação da S&P sobre a infra estrutura brasileira.

Infraestrutura precisa atrair US$ 100 bi por ano
Essa é a estimativa do que o setor deve receber em investimentos públicos e privados no Brasil, segundo a Standard & Poor’s

Os investimentos em infraestrutura no Brasil poderão alcançar entre US$ 500 bilhões e US$ 700 bilhões em cinco anos. A estimativa é da presidente da Standard & Poor’s para o Cone Sul, Regina Nunes, que participou na quarta-feira, em São Paulo, do evento Financiamento para o Desenvolvimento, da série Fóruns Estadão Brasil Competitivo, promovido pelo Grupo Estado em parceria com a Confederação Nacional da Indústria (CNI).

“É uma média de US$ 100 bilhões por ano de recursos necessários para modernizar vários setores fundamentais para o País, como rodovias, portos e aeroportos”, afirmou. Segundo ela, entre esses recursos está uma parcela dos investimentos previstos para o pré-sal que, se fossem considerados integralmente, elevariam o montante para US$ 1 trilhão.

Ela apontou que a própria classificação de risco do Brasil poderia ser elevada se o País tivesse uma melhor infraestrutura – a nota do Brasil é BBB, cuja perspectiva estável tem viés positivo para o médio prazo.

A presidente da Standard & Poor’s se mostrou otimista e disse acreditar que, conforme os novos investimentos forem sendo feitos, isso deve ocorrer. “Na medida em que os investimentos do setor de logística e transportes começam a maturar, em poucos anos isso vai reduzir os custos das empresas, o que vai baixar pressões sobre inflação e elevar o PIB potencial.”

Velocidade. O presidente da Empresa de Planejamento e Logística (EPL), Bernardo Figueiredo, concorda com a importância da infraestrutura para o desempenho do Brasil. “Temos de utilizar a infraestrutura como fator indutor da atividade econômica”, disse. “Precisamos ter uma logística que dê competitividade ao nosso setor produtivo.”

Mas ele admitiu que o governo tem deixado a desejar no ritmo de execução das obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Figueiredo defendeu, porém, o programa e afirmou que o nível de execução vem melhorando.

“O PAC trouxe uma grande novidade, que é o fato de todas as obras terem recursos para começar e acabar. Ele trouxe essa condição financeira para executar as obras. Também trouxe para o setor público o compromisso com prazos. Hoje só é possível identificar atraso nas obras porque há um cronograma”, disse, ressaltando que a cada quatro meses o governo presta contas à sociedade sobre o andamento dessas obras.

Na semana passada, o governo informou que a execução global dos investimentos no PAC 2 soma R$ 181,5 bilhões no acumulado entre janeiro e setembro, 26% mais do que no mesmo período do ano passado. No acumulado de janeiro de 2011 até setembro deste ano, são R$ 385,9 bilhões, 40,4% do investimento total previsto até 2014.

Segundo Figueiredo, há grandes dificuldades de execução das obras e a origem disso está na “desestruturação do Estado nos anos 90”. “Não tinha estrutura de gestão pública bem formada e bem aparelhada”, afirmou.

A grande dependência dos financiamentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) nos projetos de infraestrutura hoje, no Brasil, que geralmente respondem por cerca de 70% dos recursos das obras, foi um dos temas do debate.

Mas Gustavo Nunes da Silva Rocha, presidente da Invepar, que liderou o consórcio vencedor do leilão do Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, realizado em fevereiro, disse acreditar que haverá um aumento na disponibilidade de recursos privados para os projetos de infraestrutura.

Segundo ele, a própria crise dos governos contribui nesse sentido. “Alguns títulos de projetos de infraestrutura têm se mostrado mais seguros do que os de alguns governos”, afirmou o executivo.

Rocha considera que as debêntures de infraestrutura, criadas recentemente pelo governo, serão uma importante fonte de recursos. O executivo também afirmou que já é possível verificar no mercado de financiamento privado condições mais alongadas para captação de recursos.

O presidente da Invepar ressaltou, porém, que é fundamental que o ambiente regulatório seja forte para que esses papéis atraiam o investidor. A Invepar é formada pela construtora OAS e pelos três maior fundos de pensão de empresas públicas no Brasil – a Previ, do Banco do Brasil; o Petros, da Petrobrás; e a Funcef, da Caixa.

Fonte: http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,infraestrutura–precisa-atrair–us-100-bi-por-ano-,967340,0.htm

%d blogueiros gostam disto: